top of page

COMENTÁRIOS DE ELEISON DCCCLXII COMEÇANDO COM CONFIANÇA

Comentário de 27 de janeiro de 2024

No último dia de 2023, um padre franciscano do convento capuchinho de Morgon, na França, fez um sermão sobre o recente documento do Papa Francisco, Fiducia Supplicans ("Mendigar com confiança"), que causou escândalo nas almas de todo o mundo. Esse sermão é um resumo notável do motivo pelo qual o documento causou tanto escândalo. O sermão, por sua vez, está resumido aqui abaixo, em menos da metade de sua extensão original.

No relato da Apresentação do Menino Jesus no Evangelho de São Lucas (II, 34), lemos como o velho Simeão profetizou que a criança recém-nascida que Maria acabara de colocar em seus braços seria um sinal de contradição para o mundo inteiro. Todos os homens teriam de aceitá-Lo ou rejeitá-Lo, pois não poderiam permanecer neutros. Um exemplo clássico dessa contradição são as leis católicas sobre o casamento. Se, na prática, os católicos violam essas leis por fraqueza, isso já é grave, mas se eles negam essas leis em princípio, isso é um pecado espiritual, muito mais grave ainda.
A esse respeito, a recente assinatura do Papa da "Fiducia Supplicans" causará danos incalculáveis à Igreja, porque dará direito a todos os tipos de casais que atualmente vivem em pecado de "implorar com confiança" por uma bênção de qualquer sacerdote católico e, assim, pensar que não estão mais vivendo em pecado. Isso colocará em risco sua salvação eterna. Por acaso João Batista e Thomas More eram meros tolos por darem suas vidas para defender as leis de Deus sobre o casamento? É verdade que o próprio Nosso Senhor não condenou a mulher apanhada em adultério (Jo. VIII, 3-11), mas também nunca a abençoou, ao contrário, disse-lhe que não pecasse mais (. l1). Abençoar os pecadores, sem nenhuma instrução ou repreensão por seu pecado, só pode incentivá-los a continuar em seu pecado.
Ao entrarmos no Novo Ano, devemos orar por todos aqueles que correm o risco de serem vítimas desse terrível documento. Em primeiro lugar, pelos sacerdotes católicos, para que tenham a coragem de João Batista e Thomas More para enfrentar a pressão conjunta das más autoridades atuais da Igreja e do Estado, que querem fazer com que os sacerdotes sigam o fluxo do mundo ímpio de hoje e abandonem Deus, quebrando Suas leis claras e rigorosas sobre o casamento. Em segundo lugar, devemos orar pelas famílias católicas que se esforçam contra todas as probabilidades para defender as leis de Deus sobre o casamento, especialmente pelos cônjuges abandonados, pois o papa incentiva aqueles que não guardam, mas violam, a Sua lei. Em terceiro lugar, devemos orar pelas almas em todo o mundo, ofendidas por tal escândalo, vindo do Papa.
De fato, qualquer escândalo é ainda maior pela altura da autoridade da qual provém, pela obviedade da imoralidade que promove e pelo número de almas que ofende. Em todos esses três aspectos, o escândalo da "Fiducia Supplicans" é imensurável. Quanto à autoridade que escandaliza, não há autoridade moral mais elevada na Terra do que a do (pelo menos aparente) Vigário de Cristo, o Papa. Quanto à imoralidade promovida, o que é mais básico para a sociedade humana do que as leis naturais do matrimônio que Cristo reforçou, mas que até mesmo os pagãos entendem claramente, que abominam o adultério e a homossexualidade? E quanto à extensão das almas escandalizadas, que sociedade humana não é prejudicada na formação de seus tijolos de construção, suas famílias, pelo Vigário de Cristo que usa toda a sua autoridade na terra para ordenar aos sacerdotes de Cristo que abençoem as almas pecadoras que estão vivendo em desafio às leis naturais de Deus sobre o casamento?
Podemos nos perguntar se em todos os 2.000 anos de história da Igreja já foi visto um escândalo tão grande. Devemos orar até mesmo pelo Papa Bergoglio, para que ele possa salvar sua alma - neste momento, ela está em grave perigo.
E, por fim, não devemos orar por Nosso Divino Senhor, mas a Ele, para agradecê-Lo por ter tomado para Si a responsabilidade de nos resgatar da devastação do pecado que está sendo causada ao nosso redor, especialmente pelos pecadores da Igreja. Somente Ele pagou por nós a dívida que, de outra forma, seria impagável a Seu Pai por nossos pecados. Somente Ele abre para nós os portões do céu que, de outra forma, estariam bloqueados. Somente Ele nos permite cantar, no final da missa, não o "Miserere", mas o "Te Deum Laudamus" - nós Te louvamos, ó Deus, por Tua sabedoria em permitir que o pecado e a morte sejam conjurados por Teu próprio sofrimento. Nós Te imploramos apenas pela graça da perseverança até o fim.
Ao nosso redor, maldade sobre maldade se desenrola?
<"Não temais", disse Jesus, "Eu venci o mundo" (Jo, XVI, 33).

Kyrie eleison.


Dom Richard Williansom



Rádio Saletiana

A Tradição Católica em sua casa


44 visualizações

Comments


bottom of page