top of page

Por que aderimos a Missa Tradicional?

Atualizado: 19 de jun. de 2023

Por Ir. Maria Madalena

Imagens Saletianos


A Missa é o Santo Sacrifício de Cristo que se atualiza a cada dia em nossos Altares.

É a repetição do sacrifício de Cristo de forma cruenta (sem derramamento de sangue).

Ora, não há nada que o demônio mais odeie que o próprio Sacrifício de Cristo, fonte de salvação das almas.

Desde o início podemos ver seus assaltos desesperados para fazerem os homens desacreditarem no Sacrifício, tendo seu êxito entre os judeus, que embora com todas as Escrituras e profecias falando do Santo Sacrifício do Senhor repeliram em aceitá-lo na Cruz que para eles não simboliza a Vitória e sim a morte. Enganação demoníaca que tem trazido enormes prejuízos a humanidade. A luta do demônio contra o Sacríficio de Nosso Senhor continuou ao decorrer dos tempos, se infiltrando na Igreja e buscando manchar a Liturgia, meio de conseguir invalidar o Santo Sacrifício. Percebendo tais assaltos, o papa São Pio V, na Bula Quo Primum Tempore, traz uma blindagem para a Santa Missa,conferindo a bula um aspecto dogmático ao lançar no final da mesma uma condenação para quem se atrevesse a mudar os Santos Ritos Tradicionais e permitindo somente os Ritos Orientais mais antigos que logicamente eram os mais próximos daquilo que os Santos Apóstolos deixaram em memória da Santa Ceia do Senhor.



No entanto, o Concílio Vaticano II, não podendo mexer na Missa Tradicional, criou uma Missa Nova, de acordo com os Ritos Protestantes, quem já teve a infeliz oportunidade de ver uma "Missa Luterana", sabe que ela não se difere em praticamente nada da Missa do Concílio Vaticano II, senão em algumas palavras. Contudo, o Concílio Vaticano II é Pastoral e não é uma obrigatoriedade rezar a Missa Nova, ao contrário da Missa Tradicional que a Bula Quo Primum Tempore lhe confere uma obrigatoriedade. Em relação a Bula Tradicione Custodes a mesma regulariza sobre a Missa na Paróquia, mas também não pode proibir a Missa Tradicional, uma vez que está protegida pela mesma supracitada Bula do Glorioso Papa São Pio V, cujo corpo incorrupto demonstra para os mais incrédulos, a glória conferida por Deus a este Santo Papa.


Além disso, podemos ver problemas teologais enormes na Missa Nova. Essa Missa mesmo sendo válida, ainda é ilicíta pela sua própria forma ritual. É impossível a um Padre, depois de conhecer a profundidade e importância da Liturgia, reza-la sem consciência duvidosa, o que é um grande pecado mortal. Devemos lembrar que as mãos do Sacedote trazem Cristo ao mundo pelo milagre da Transubstanciação, nesse mistério encerram-se verdades sobrenaturais, que por causa da dureza dos corações de nossos tempos, Nosso Senhor revelou-os em inúmeros milagres eucarísticos no mundo inteiro. O sacerdócio não é uma mera profissão. O Padre ao dispensar um Sacramento é o Persona Christi e quando ele sobe ao Altar, como o Rito Tradicional diz : "Introibo ad Altare Dei"é para dar toda Glória a Deus e não para profanar o Santo Sacrífício de Cristo.


Por esses motivos santos de obediência e zelo a Santa Igreja e a sua Tradição Bimilenar inaugurada pelo próprio Cristo, nosso Divino Fundador, e não por um espiríto de secessão que muitos incautos nos acusam, guardamos a Doutrina de Sempre e a sua Santa Liturgia.


Para melhor entendimento do leitor que procura salvar a sua alma, entendendo que ela é seu bem mais precioso, relatamos aqui os motivos que a Sã Doutrina ensina que devemos nos afastar de quaisquer Liturgia que podem abrir brechas para a profanação:


- Para que o Sacramento da Eucarístia seja válido é necessário as seguintes condições abaixo, qualquer Rito que não apresente essas condições é inválido :

  • Intenção do Sacerdote em consagrar,

  • Matéria válida (espécies de pão sem fermento e vinho),

  • Fórmula do Rito Correta (na maioria das Missas Novas, a fórmula foi mudada. O próprio Papa Bento XVI atentou para isso em seu Papado),

- O fiel precisa estar em estado de graça para a comungar. Obviamente, o estado de pecado do fiel não inválida o Sacramento da Eucaristia, mas torna o Ato de Comunhão, sacrílego. Isto é, para comungar, todo fiel precisa ter passado pelo Sacramento da Confissão, que para ser válido requer:

  • Arrependimento

  • Propósito de emenda sincero

  • Confissão do pecado ao Sacerdote

  • Absolvição do Sacerdote

  • Satisfação pelo cumprimento da Penitência imposta pelo Sacerdote

- A Santa Missa é o Sacrifício de Nosso Senhor, nela acontecerá um Sacramento que é a Eucaristia, portanto não se pode fazer da Missa um show, um teatro, uma festa, assim como não se pode misturar nela atos profanos, como danças realizadas em rituais de feitiçaria, cantos inapropriados e outros sem profanar o Santo Sacrifício de Cristo e ofender sumamente a Deus a quem é oferecido este mesmo Sacrifício. Portanto, mesmo que uma Missa Nova seja válida, ela ainda corre um risco grande de ser sacrílega.


- O Confiteor do Sacerdote na Santa Missa Tradicional é separado dos fiéis, mostrando assim que existe uma hierarquia na Igreja, onde o Sacerdote é a própria pessoa de Cristo na Santa Missa. Também o ofertório tem um carater sacrifical e propiciatório, pois cremos que Nosso Senhor verdadeiramente está na Santa Eucaristia, que é dogma de Fé. Na missa Nova esses dois momentos foram modificados, fazendo o Sacerdote fazer a oração penitencial junto aos fiéis , tirando do mesmo sua autoridade de Pastor do rebanho e ainda pior, nela é realizada o Ofertório Luterano, onde o mesmo se transforma numa mera apresentação de oferendas.


- A oração do Canôn e a Doxologia da Santa Missa, são todas oferecidas pelo Sacerdote, assim como Cristo se ofereceu por nós na Cruz. Não é uma mera narração de fatos e sim o mesmo Cristo que novamente abençoa as espécies e oferece seu Corpo e Sangue ao Pai. Na Missa Nova, tudo se tornou uma mera narração com a participação de ministros e do povo, dando a Liturgia um aspecto de refeição, de uma simples Ceia, ao invés do aspecto Ritual correto realizado pela Santa Igreja desde Sempre.


Esses são alguns motivos que deixamos aqui para esclarecer aos nossos leitores e amigos, sobre nosso posicionamento em guardar a Liturgia Tradicional da Igreja e sua Sã Doutrina.

Rezamos para que Nosso Senhor, venha atrair os corações de seus fiéis para o caminho seguro e correto, atraindo também os corações dos bons Sacedotes que desejam acima das comodidades mundanas, servirem a Deus de toda a sua alma, fazendo jus a sua vocação.

Sejamos do número daqueles que recostam ao Sagrado Coração do Senhor e honra seu Sacrifício ficando com ele aos pés da Cruz e não do número de repróbos que rejeita sua Missa, e por algumas moedas de prata, o traem com seus inimigos.



93 visualizações

Comments


bottom of page